GIST

Tumor do Estroma Gastrointestinal

O tratamento para tumores gastrointestinais depende do tamanho do tumor, localização, se existe disseminação da doença e rapidez com que se desenvolve. O principal tratamento é a cirurgia para remover o tumor tanto quando possível, mas terapias alvo e outros tratamentos também podem ser úteis em algumas situações.

Tumores Menores Localizados e Ressecáveis

A cirurgia é o principal tratamento para a maioria dos tumores pequenos. Para os tumores pequenos que não estão crescendo rapidamente, esta é muitas vezes o único tratamento necessário.

A possibilidade de um GIST recidivar após a cirurgia é maior se o tumor é grande ou não se iniciou no estômago ou, ainda, se as células cancerosas se dividem rapidamente, ou seja, têm um índice mitótico alto. Se existe um risco intermediário a alto da doença recidivar com base nesses fatores, é recomendado o tratamento adjuvante com imatinibe, por pelo menos um ano após a cirurgia. Para os tumores que são altamente propensos a recidivar, é recomendado pelo menos 3 anos de imatinib.

Para alguns tumores muito pequenos (até 2 cm de diâmetro) diagnosticados por acaso e que não causam quaisquer sintomas, outra opção é o acompanhamento com endoscopia uma ou duas vezes por ano. Se o tumor não estiver crescendo, às vezes não é necessário tratamento adicional.

Tumores Maiores Localizados com Margens Ressecáveis

Os tumores maiores ou localizados em áreas de difícil acesso para ser completamente removidos podem exigir uma cirurgia mais extensa, o que poderia causar outros problemas de saúde mais tarde. Nestes casos, assim que a biópsia confirma que o tumor é um GIST, é iniciado o tratamento com imatinib. Esse tratamento é continuado pelo menos até que o tumor parar de reduzir seu tamanho.

Se o tumor diminui de tamanho suficientemente para realizar a cirurgia, o tumor remanescente pode ser removido de forma segura. Após a cirurgia, o paciente continuar o tratamento com imatinib para diminuir a chance de recidiva.

Se o tumor não reduzir seu tamanho o suficiente para tornar possível a cirurgia, o imatinib é muitas vezes continuado enquanto for útil. Se este medicamento parar de responder ou se o paciente não pode mais tolerar os efeitos colaterais, pode ser recomendado o uso do sunitinib. Se o sunitinib não responder, o regorafenib pode ajudar alguns pacientes.

Tumores Irressecáveis ou com Metástases

As opções de tratamento para os tumores gastrointestinais que não podem ser removidos cirurgicamente dependem se disseminaram-se  e da extensão da disseminação.

Para a maioria destes tumores, o imatinib é a opção preferida para o tratamento inicial. Se o tumor começar a crescer novamente, a dose do imatinib é aumentada. Se o tumor continuar a crescer ou o paciente não pode tolerar os efeitos colaterais do imatinib, a troca de terapia alvo para o sunitinib pode ser útil. Se o sunitinib parar de responder, o regorafenib pode ajudar alguns pacientes.

Se o tumor reduzir seu tamanho com a terapia alvo, a cirurgia pode ser uma opção para alguns pacientes. Isto pode ser seguido por terapia alvo, se o paciente estiver respondendo.

Se o tumor se disseminou para apenas 1 ou 2 locais no abdome, como o fígado, pode ser recomendado a remoção do tumor principal e, também, de outros tumores menores. Se este for seu caso, converse com seu médico sobre os objetivos do tratamento e seus benefícios e riscos. Normalmente, isso deve ser considerado apenas para os tumores de crescimento lento ou que provocam complicações locais, como hemorragia incontrolável.

Outras opções para tratamento de tumores que se disseminaram para o fígado incluem ablação embolização. Estes tratamentos podem incluir a ablação por radiofrequência ou a ablação por etanol.

Os tumores que não respondem aos medicamentos alvo discutidos acima são difíceis de serem tratados. Alguns médicos podem recomendar outros medicamentos específicos, como o sorafenib, o dasatinib ou o nilotinib, embora ainda não esteja clara sua eficácia. Os medicamentos quimioterápicos padrão, geralmente, não são eficazes. Outra opção para alguns pacientes é considerar a participação de um estudo clínico com novos tratamentos.

Recidiva

As opções de tratamento para a recidiva do tumor gastrointestinal dependem da localização e extensão da recidiva.

Para a maioria das recorrências, o tratamento com imatinib é provavelmente a melhor maneira de reduzir quaisquer tumores, enquanto for eficaz e o paciente tolerar o tratamento. Se a dose inicial do imatinib não responder, ela pode ser aumentada. Outra opção é tentar sunitinib ou regorafenib.

Se a recidiva for um tumor único, bem definido, a remoção ou destruição do mesmo pode ser uma opção. Mas, os médicos ainda não têm certeza se a remoção do tumor após a recidiva aumenta a sobrevida do paciente. Alguns estudos mostraram que sim, mas outros discordaram. Converse com seu médico sobre os riscos e benefícios deste tratamento.

Como esses cânceres são, muitas vezes, difíceis de serem tratados, os pacientes devem considerar a participação num estudo clínico com novos tratamentos.

Quíron

Clínica Cirúrgica Avançada

Rua Santa Rita Durão, 20,  sala 708

Bairro Funcionários

Belo Horizonte - MG

31  2552-4823

Hospital Integrado do Câncer

Rede Mater Dei de Saúde

 

Hospital Mater Dei Cotorno, 4 andar

Entrada pela Rua Uberaba, 900

Belo Horizonte - MG

 

31  3401-7490

Mais Saúde 

Rede Mater Dei de Saúde

Rua Bernardo Guimarães, 2785

Bairro Santo Agostinho

Belo Horizonte - MG

 

31  3339-9595

© 2016 por Daniel Paulino Santana. Todos os direitos reservados